terça-feira, 17 maio 2022

BASTA DE DESRESPEITO À MULHER!

Por Luiz Carlos Motta*

O mês de março é dedicado às mulheres. Todos os meses deveriam ser assim, com destaques sobre o que elas representam em casa, no trabalho e na sociedade. No comércio, as mulheres são maioria. Muitas trabalham na área de vendas. Um relatório do Fórum Econômico Mundial, que se reúne tradicionalmente em Davos, na Suíça, apontou um dado muito interessante: as mulheres tem um desempenho 84% superior aos homens na mesma função de vendas.

A notícia é para ser comemorada. Mas em parte, isso porque, mesmo tenho melhor desempenho que os homens, as mulheres continuam tendo uma remuneração menor do que a deles. Isso acontece em praticamente todas as funções.

Lutas

Essa é uma de minhas grandes lutas: estabelecer a igualdade de salários e de condições de trabalho entre os gêneros. Tenho atuado neste sentido, tanto no Congresso Nacional, como nas entidades que presido. Em uma luta paralela, também tenho apoiado os projetos que visam dar proteção à mulher, contra a misoginia, o machismo e o desrespeito.

Não podemos admitir que ninguém, muito menos formadores de opinião, muitos deles, eleitos pelo povo, continuem ofendendo as mulheres. Devem ser penalizados para que o mau exemplo não se repita.

Shecession

O relatório do Fórum revela ainda que a pandemia da Covid-19 tem impactado o gênero feminino mais fortemente. Essa constatação deu origem ao termo “shecession” (recessão feminina). No mundo, em média, cinco por cento de todas as mulheres perderam seus empregos até o momento, em comparação com 3,9% de todos os homens. No Brasil, estes números foram muito mais elevados.

O Fórum também apontou que o número de mulheres empreendedoras vem crescendo, já atingindo 20 por cento da população feminina. A maioria tem idades variando entre 33 e 44 anos de idade. E as que cuidam de investimentos, conseguem retorno sobre o capital, 60% maior do que o conseguido pelos colegas em geral. O levantamento foi feito em 156 países. O Brasil está em 93º lugar, caindo uma posição em relação ao levantamento de 2020.

Medidas

Em relação à educação, 37 dos 156 países analisados, já alcançaram a paridade de gênero, e mais de 95% deles já eliminaram essa diferença em outra importante área, a da saúde. O Brasil ocupa as posições 37ª em educação e 3ª em saúde.

Para ter uma recuperação econômica, que dê mais oportunidades ao público feminino, o relatório sugere quatro medidas, que apoiamos integralmente:

–  Assegurar a paridade de gênero no mundo do trabalho pós-COVID-19

– Fechar as lacunas de gênero na remuneração entre e dentro dos setores

– Permitir a participação das mulheres na força de trabalho

– Ter mais mulheres ocupando cargos de gestão e liderança

Cotas?

Na política, a representatividade das mulheres precisa melhorar. O portal da Câmara dos Deputados mostra que as mulheres representam apenas 15% do total de cadeiras naquela Casa de Leis. No Senado, a porcentagem é ainda menor: 12%.

No âmbito municipal, 900 municípios não tiveram sequer uma vereadora eleita nas eleições de 2020. O Brasil perde para praticamente todas as nações da América Latina, no quesito representatividade da mulher na política, com exceção do Paraguai e do Haiti.

Não creio que um sistema de cotas resolva o problema. Defendo a equidade e uma campanha permanente de conscientização sobre a importância do voto em mulheres e em candidatos que defendem seus direitos.

Com uma representação feminina mais expressiva, teremos ainda mais força para continuar lutando pela erradicação dos assédios de toda ordem, contra a violência e a discriminação entre outros crimes cometidos contra as mulheres em todas as classes econômicas e sociais. Ajude-nos a ampliar essas lutas, debatendo o tema e compartilhando este conteúdo em suas redes sociais!!!

*Luiz Carlos Motta é Deputado Federal pelo PL de São Paulo, presidente da Fecomerciários e da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *