domingo, 16 maio 2021

Governo de SP coloca estado na fase vermelha da quarentena aos finais de semana e a partir das 20h nos dias úteis

Após mais uma semana de piora nos indicadores da Covid-19 em São Paulo, a gestão João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (22) regras mais restritivas de isolamento social, e determinou que todo o estado fique na fase vermelha do plano de flexibilização econômica aos finais de semana e feriados. Nos dias úteis, a fase vermelha valerá das 20h às 6h.

Nela, apenas serviços essenciais como padarias, mercados e farmácias, podem operar. Bares, restaurantes e comércio não poderão funcionar.

Na capital paulista, a medida entra em vigor já no feriado da próxima segunda (25), aniversário da cidade. Para as demais regiões, será feita nos finais de semana dos dias 30 e 31 e 06 e 07 de fevereiro.

No entanto, o coordenador Executivo do Centro de Contingência da Covid-19, João Gabbardo, pediu que a população não espere segunda-feira (25) para começar as cumprir as medidas mais rígidas.

“Algumas medidas poderão ser implementadas nos próximos dias adicionalmente às que estamos tomando hoje. Se os indicadores não melhorarem, se as pessoas não mudarem o seu comportamento, como por exemplo, não vamos esperar 2ª feira para começar a cumprir com as medidas hoje anunciadas. A partir de agora as pessoas já devem ter a preocupação de reduzir ao máximo tudo aquilo que pode aumentar a transmissibilidade da doença. Não fiquem esperando decreto. Não fiquem esperando as ordens do governo.”, disse Gabbardo durante uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira (22).

Cinco novas regiões regrediram à fase vermelha, na qual permanece Marília.

A capital paulista e a Grande São Paulo, além de outras três que estavam na amarela, passaram a ficar na fase laranja, que veta o funcionamento de bares. As demais regiões, que já estavam na laranja, não sofreram mudanças.

No início de janeiro, o governo fez alterações nas regras de funcionamento da fase laranja, e a tornou mais permissiva.

Desde o início do ano, o governo paulista tem feito reclassificações semanais. No final de 2020, a gestão estadual chegou a colocar o estado na fase vermelha durante as festas de final de ano para tentar evitar aglomerações e, consequentemente, os riscos de contaminação.

O Plano São Paulo prevê o rebaixamento para fases com regras mais restritivas da quarentena em regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Além da reclassificação, o governo de São Paulo também anunciou nesta sexta-feira (22) novas restrições para combater o avanço da pandemia. As cirurgias eletivas estão canceladas em todos os hospitais públicos e conveniados do estado e o Hospital de Campanha de Heliópolis, na capital, será reativado.

Além disso, o parâmetro de taxa de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) na fase vermelha passou de 80 para 75% e nenhuma região poderá ir as fases verde e amarela antes do dia 8 de fevereiro.

Mudanças no Plano SP

  • Parâmetro de taxa de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) na fase vermelha passou de 80 para 75%;
  • Nenhuma região poderá ir as fases verde e amarela antes do dia 8 de fevereiro.
  • Fase vermelha do plano de flexibilização econômica aos finais de semana e feriados. Nos dias úteis, a fase vermelha valerá das 20h às 6h.

O coordenador Executivo do Centro de Contingência da Covid-19, João Gabbardo, alertou que o estado de São Paulo registra um óbito pela Covid-19 a cada seis minutos e que, por isso, as mudanças são necessárias.

“São Paulo apresenta, neste momento, um óbito a cada seis minutos. O tempo que nós demorarmos para tomar as medidas necessárias vão significar óbitos nessa velocidade”, disse Gabbardo.

Sobrecarga

O estado de São Paulo pode esgotar sua capacidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em 28 dias, caso o ritmo atual de novas internações por Covid-19 se mantenha. O cálculo, feito pelo governo estadual, foi apresentado em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (22).

“Sem novas medida restritivas e com esse comportamento que nós adotamos nas últimas semanas nós vemos que nós teríamos em 28 dias, o que aconteceriam é que o estado poderia ter um esgotamento de leitos UTI Covid. Então, é isso que nós estamos evitando aqui”, disse a secretária de desenvolvimento econômico, Patrícia Ellen.

“Nós não podemos esperar para tomar novas medidas, todos nós sabemos que o que acontece hoje reflete no sistema de saúde em duas a três semanas e, por isso, essas medidas estão sendo tomadas agora. Se o comportamento de hoje se mantém, nós teríamos um risco de colapso em quatro semanas e é isso que nós estamos atuando aqui para evitar”, completou.

Cinco municípios da Grande São Paulo já apresentaram índices acima de 80% na semana passada. Na ocasião, o governo apenas recomendou que os prefeitos adotassem medidas da fase vermelha – a mais restritiva – mesmo que a região tivesse sido mantida na amarela.

A última reclassificação do Plano São Paulo ocorreu no dia 15 de janeiro.

Com as mudanças, sete regiões ficam na fase vermelha e 10 agora ficam na fase laranja (veja, abaixo, a lista completa e as regras para cada fase).

Mortes e casos em alta

O estado já registra média diária de mortes por Covid-19 acima de 200 há mais de 13 dias seguidos, o que não acontecia desde setembro de 2020.

Tanto os novos óbitos quanto os novos casos de coronavírus estão com tendência de alta. Na terça, SP ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pela doença.

Classificação atual no estado

Vermelha – só operam serviços essenciais

  • Marília
  • Franca
  • Presidente Prudente
  • Barretos
  • Bauru
  • Sorocaba
  • Taubaté

Laranja – bares não abrem, e demais serviços funcionam com restrições de horários e capacidade

  • Grande São Paulo
  • Araçatuba
  • Piracicaba
  • Ribeirão Preto
  • São José do Rio Preto
  • Registro
  • Araraquara
  • Baixada Santista
  • Campinas
  • São João da Boa Vista

O que funciona na Fase Laranja

(fase sofreu alterações no dia 5 de janeiro e passou a ser mais permissiva)

  • Todos os setores de comércio e serviços passam a ser permitidos. A exceção é o atendimento presencial em bares, que continua proibido.
  • Capacidade de ocupação: antes era de 20% e vai para 40% em todos os setores.
  • Funcionamento máximo: ampliado de 4 para 8 horas por dia.
  • Horário de fechamento: atendimento presencial só poderá ser feito até 20h.
  • Parques estaduais, salões de beleza e academias: poderão abrir.

O que funciona na Fase Amarela

  • A capacidade máxima passa a ser limitada a 40% de ocupação para todos os setores. Antes, o percentual variava por setor: academias podiam operar com apenas 30% da ocupação, por exemplo.
  • O atendimento presencial ao público pode ser feito apenas até as 22h, em todos os setores, exceto no setor de bares, que pode funcionar até as 20h.
  • O horário de funcionamento passa a ser limitado a 10 horas por dia para todos os setores. Antes, o horário variava por setor.

Serviços essenciais que podem funcionar na Fase Vermelha

  • Farmácias
  • Mercados
  • Padarias
  • Açougues
  • Postos de combustíveis
  • Lavanderias
  • Meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô
  • Transportadoras, oficinas de veículos
  • Atividades religiosas
  • Hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria.
  • Bancos
  • Pet shops

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *